Comic-Con San Diego, Séries de TV e Cinema A cobertura da Comic-Con feita por um brasileiro para brasileiros e muito mais!
  • scissors
    September 30th, 2011Edu TeixeiraSéries

    Amber Heard é de tirar o fôlego

    Depois de muita controvérsia, protestos e boicotes, finalmente “The Playboy Club” foi ao ar e no fim das contas, nem a publicidade gratuita ajudou o novo drama da NBC a conseguir uma audiência animadora. Apenas 5,15 milhões de espectadores ligaram a TV para ver a série, sendo apenas 1,6 da faixa etária que mais importa (18-49 anos).

    Para colocar esses números em perspectiva, na temporada passada, a péssima “Chase” – que acabou rapidamente defenestrada – atraiu 7,31 milhões na estreia (2,3 de 18-49) no mesmo dia e horário. Em resumo, “The Playboy Club” já nasceu morta.

    Mas e o conteúdo? Vale a pena ver a série? A série nitidamente tenta surfar a onda de popularidade de “Mad Men”, mas nem de longe consegue. Faltam roteiros e interpretações de qualidade para sequer mencionar as duas séries na mesma frase. para não dizer que a série é um completo desperdício, a protagonista Amber Heard (Amor por Contrato) é capaz de provocar taquicardia em defunto. É linda, extremamente sensual e charmosa. Infelizmente para ela e para a série, isso é muito pouco para justificar o investimento de dinheiro, tempo e trabalho na produção.

    E a polêmica se justifica? Sendo direto, fizeram muito barulho por nada. Ou sendo mais justo, quase nada. Os grupos feministas e religiosos deveriam ter visto o piloto antes de iniciar a cruzada contra o show. Veriam que o silêncio e a indiferença seriam mais apropriados. Pode vir a ser a primeira série a ser cancelada na temporada 2011.

    Posts Relacionados:

    Tags: ,
  • scissors
    September 19th, 2011Edu TeixeiraSéries

    Falem mal, mas falem de mim. Se esse ditado for verdade, “The Playboy Club” –  drama que estreia hoje na NBC nos Estados Unidos – conseguiu publicidade extra. Antes mesmo de ir ao ar, a série foi alvo de protestos de vários grupos feministas e conservadores. A grande maioria sequer viu o piloto. Não viram e não gostaram.

    Inicialmente chamado “Bunny Tales” e depois “Playboy”, “The Playboy Club” conta a história de um grupo de jovens mulheres que trabalham como coelhinhas da primeira filial do clube Playboy, em Chicago no início dos anos 60. A história é centrada na recém-contratada Maureen (Amber Heard de “Friday Night Lights”). Ela reage ao ser atacada por um membro do clube alcoolizado e acaba matando-o. Nick (Eddie Cibrian de “Third Watch”), um dos clientes mais populares entre as coelhinhas, se encanta com a novata e tenta ajudá-la a sair da encrenca. Laura Benanti (“Eli Stone”) será Carol-Lynne, mulher de 30 anos que é a estrela do clube, mas sabe que seus dias de coelhinha estão contados por conta da idade. Naturi Noughton faz Brenda, uma mulher que tenta ser a primeira coelhinha negra da Playboy.

    O criador Chad Hodge (“Tru Calling”) será o produtor executivo. Brian Grazer (“Lie To Me”) e Francie Calfo (“Scoundrels”) serão os outros produtores. David Krumholtz (“Numb3rs”), Leah Renée (“Runaway”), Sean Maher (“Make it or Break it”), Wes Ramsey (“CSI: Miami”) e Jenna Dewan-Tatum (Ela Dança, Eu Danço) também estão no elenco.

    Hough Hefner, o fundador do império Playboy, tem o direito de revisar os roteiros, mas segundo Hodge ele não tem exercido essa prerrogativa. Hefner gravou uma narração para o piloto, embora esse recurso tenha sido esquecido nos demais episódios. Uma versão mais jovem do milionário aparecerá na série, sempre sem segundo plano.

    Posts Relacionados:

    Tags: , ,
  • scissors
    September 9th, 2011Edu TeixeiraSéries

    The Playboy Club”, o novo drama da NBC, já causa controvérsia antes mesmo de seu primeiro episódio ir ao ar.

    Uma comissão de direitos das mulheres de San Francisco publicou uma resolução praticamente implorando para a NBC e suas afiliadas a substituírem a série por algum programa que valorize as conquistas das mulheres. A organização é financiada pelo governo e se dedica a assegurar iguais oportunidades econômicas, sociais, políticas e educacionais para as mulheres de San Francisco.

    O texto publicado no fim de Agosto diz que a série “representa um grande passo atrás para as mulheres que lutaram tanto para conquistar ambientes igualitários de trabalho, na comunidade e em seus lares”.

    A presidente da Comissão Kay Gulbengay admite não ter visto qualquer episódio do seriado, apenas comerciais. Mesmo assim ela acredita que ele não respeita os direitos civis das mulheres. “Colocar isso na TV é um insulto ao legado das mulheres”, disse Gulbengay.

    Esse é apenas o mais recente ataque ao show que conta a vida das famosas coelhinhas Playboy, assim como de seus clientes no primeiro Clube Playboy nos anos 60. Outras reclamações já haviam partido do Conselho dos Pais Para a Televisão, de Gloria Steinem, uma famosa advogada das causas feministas e de uma afiliada da NBC de Salt Lake City (Utah), que se recusa a exibir a série que estréia nos Estados Unidos no dia 22 de Setembro.

    Essas iniciativas são no mínimo ridículas e no máximo imbecis. Qualquer série ambientada no passado certamente irá mostrar comportamentos que hoje são considerados errados ou até ilegais. Não que seus criadores, produtores e elenco concorde com essas idéias, digamos, ultrapassadas.

    Não é por que os ideias nazistas sejam indefensáveis  hoje, que filmes e séries sobre o tema ou ambientados na 2ª Guerra Mundial não possam ser produzidos. Não é por que a escravidão é algo abjeto que produções mostrando escravos tenham que ser banidas  da TV e do Cinema. Se “The Playboy Club” não deve ser exibida, que a multipremiada “Mad Men” (AMC) seja proibida para sempre e seus criadores apedrejados em praça pública. Nela, as mulheres sofrem todo tipo de preconceito (algo normal para a época) e todos fumam como se isso melhorasse a saúde.

    Enfim, senhoras feministas, deixem de procurar pêlo em ovo e vão arrumar uma trouxa de roupa para lavar….oooops….brincadeirinha!

    Posts Relacionados:

    Tags: , ,
  • scissors
    September 3rd, 2011Edu TeixeiraSéries

    O ano voa. Já estamos em Setembro e a fall season norte-americana bate em nossa porta. Juntamente com a volta de sucessos estabelecidos, novas séries estreiam na esperança de atrair público suficiente para garantir a renovação. De todo que estreia a parti desse mês, escolhi as 10 séries que eu mais estou ansioso para ver. É uma lista pessoal e que deve ser avaliada dessa forma. Você discorda dela? Comente fazendo a sua lista.

    10. The Playboy Club”

    Onde: NBC
    Quem: Amber Heard, Naturi Naughton, Eddie Cibrian, Laura Benanti, David Krumholtz, Jenna Dewan, Leah Renee e Sean Maher.
    Quando: 19 de Setembro
    Por que: Digamos que o novo drama da NBC tem uma semelhança com a rede de restaurantes Hooters. A gente até come o que está no cardápio, (no caso, um drama ambientado no primeiro Clube Playboy em Chicago), mas o que realmente interessa é o cenário. Se é que vocês me entendem. 🙂
    Pouca coisa foi divulgada sobre a trama, a não ser que é veremos os bastidores do clube e que ela será centrada na nova coelhinha Maureen (Amber Heard) e em Nick (Eddie Cibrian), seu cliente mais fiel. “The Playboy Club” promete ser a série mais sensual da TV aberta na nova temporada. Espero sinceramente que seja.

    9. “Up All Night”

    Onde: NBC
    Quem: Will Arnett, Christina Applegate, Maya Rudolph, Reid Ewing e Nick Cannon.
    Quando: 21 de Setembro
    Por que: Só o elenco já me faria ficar ansioso para ver essa série. A sinopse em sí não é nada demais, mas com Will Arnett (“Arrested Development”) e Christina Applegate (“Married With Children”) encabeçando o elenco, a coisa muda muito de figura.
    Embora sejam ótimos atores, ambos precisam de um sucesso urgentemente. Arnett vem dos fracassos “Sit Down Shut Up” e “Running Wilde”. Applegate não teve melhor sorte com “Jesse” e “Samantha Who”. Pessoalmente, vou torcer muito para eles tenham muito sucesso nessa comédia.

    8. “Ringer”

    Onde: CW
    Quem: Sarah Michelle Gellar, Nestor Carbonell, Ioan Gruffudd, Mike Colter e Tara Summers
    Quando: 13 de Setembro
    Por que: Eu não era fã de Buffy, mas sempre reconheci o poder de Sarah Michelle Gellar. Boa atriz, linda e com carisma para dar e vender. Depois de sete anos de uma relativa distância da cena hollywoodiana (Gellar se casou com o ator Freddie Prinze Jr. e teve uma filha com ele nesse meio tempo), ela volta com fome de bola. Não satisfeita em ser a protagonista de “Ringer”, ela fará dois papéis na série. Ela será as irmãs gêmeas Bridget e Siobhan. Uma mais enroscada que a outra e ambas correndo risco de vida.
    Em entrevistas recentes, Gellar prometeu uma série que irá deixar o público sentando na beira do sofá com um cliffhanger em cada intervalo comercial. Um mistério que não dá tempo de respirar seria interessante, mas espero que, no mínimo, “Ringer” evite o erro de confiar demais na “gostosura” de sua protagonista como foi o caso da fraca “Nikita”.

    7. “Person of Interest”

    Onde: CBS
    Quem: Jim Caviezel, Michael Emerson e Taraji P. Henson
    Quando: 22 de Setembro
    Por que: Em resumo? J.J. Abrams. Preciso dizer mais? Então tá. Jonathan Nolan, o roteirista de Batman – O Cavaleiro das Trevas e do revolucionário Amnésia (“Memento”).
    “Person of Interest” parece ser uma mistura de “Minority Report” com “Fringe”. Na trama, Michael Emerson (O Ben Linus de “Lost”) é um milionário que, depois de desenvolver um programa que identifica criminosos antes que o crime aconteça, se junta ao veterano gente da CIA (Jim Caviezel) para evitar que os crimes se concretizem. Um detalhe interessante é que o personagem de Caviezel está presumidamente morto. Sendo uma produção de Abams, é até surpreendente que saibamos tanto.

    6. “Hell On Wheels”

    Onde: AMC
    Quem: Anson Mount, Common, Dominique McElligott, Colm Meaney e Ben Esler
    Quando: 6 de Novembro
    Por que: O histórico de séries originais do AMC até agora é algo inacreditável. Os carros chefes são “Mad Men”, “Breaking Bad” e “The Walking Dead”, a última tendo conseguido a maior audiência da história de uma série na TV a cabo. Em menor escala, “The Killing” também pode ser considerada um sucesso. Até mesmo o fracasso “Rubicon” era uma série de muita qualidade, embora difícil (o que explica a baixa audiência e o cancelamento depois de apenas uma temporada).
    Então, naturalmente, qualquer nova série do AMC merece ser conferida. O drama é ambientado na reconstrução pós Guerra Civil americana e acompanha a missão pessoal de um soldado confederado (Anson Mout): Encontrar e matar um grupo de soldados da União que mataram sua esposa. Ao longo do caminho ele conhece o escravo recém-libertado (Common) e luta com índios Chayenne.
    Se lembrarmos de que o AMC é a casa de um show que mostra o comércio de crystal meth e assassinatos gosmentos e outro que desfila personagens com as entranhas à mostra, não tenho dúvidas que “Hell on Wheels” será bastante visceral. Que venha a carnificina.

    Em breve, você saberá quais são as 5 séries que estou mais louco para ver.

    Posts Relacionados:

    Tags: , , , ,