Comic-Con San Diego, Séries de TV e Cinema A cobertura da Comic-Con feita por um brasileiro para brasileiros e muito mais!
  • Guia Comic-Con para brasileiros interessados. Parte 4: Acertos, erros e custos

    6
    scissors
    August 11th, 2010Edu TeixeiraComic-Con

    Se você chegou até aqui, é porquê seu interesse em um dia ir à Comic-Con realmente é grande. Nesse artigo, que será o último dessa série, farei um balanço do que deu certo e errado no meu planejamento em 2010 e dentro do possível, tentarei dar uma idéia dos custos envolvidos nessa aventura.

    Acertos e Erros

    Como minha passagem me levava a Los Angeles, eu precisava de outro meio para chegar a San Diego e optei por alugar um carro. Além disso, quase 50 quilômetros separavam o local de minha hospedagem (mais uma vez, muito obrigado Bianca, minha amigona) de Downtown, San Diego. Como já havia mencionado, ficando longe do centro de convenções, um carro alugado é uma saída. Como eu gosto muito de dirigir, odeio depender de outros e as estradas lá são ótimas, minha escolha foi acertada. Dirigir nos EUA é fácil, pois há muita sinalização e os mapas são bastante detalhados, porém, tenho um celular com GPS integrado e sequer precisei de mapa. Se você tiver algo semelhante, ou puder alugar um GPS junto com o carro, terá menos uma preocupação.

    Um outro acerto foi o esquema de estacionamento. Pela primeira vez na história, os organizadores da Con fecharam convênio com estacionamentos da região, e eu mais do que depressa comprei passes para 5 dias no estacionamento do próprio centro de convenções. Foram 13 dólares ao dia muito bem gastos. A melhor localização, total segurança e zero de burocracia (bastava mostrar o passe impresso ao fiscal na guarita e deixá-lo exposto perto do para-brisas após estacionar).

    Tiquete pré-pago de estacionamento para a Comic-Con 2010

    Como eu estava indo para “trabalhar” no evento, era preciso ter meios de me comunicar com o pessoal do Cine Séries, de atualizar meu blog, etc. Acesso à internet era fundamental. A Comic-Con oferece acesso gratuito via wi-fi em todo centro de convenções. É rápido, mas requer que você mantenha a página inicial do site www.comic-con.org aberta em seu navegador. Eu confiava que o serviço seria bom, e mais uma vez acertei. Meu erro foi esperar que minha credencial de “imprensa” me desse direito a usar alguma infra-estrutura especial. Ledo engano. Não havia sequer uma tomada disponível para eu recarregar as baterias do notebook, celular e câmeras. Nisso, eu pisei na bola.  Se você planeja, entre outras coisas, “twittar”, fotografar e filmar, esteja preparado para essa realidade (baterias extras, dispositivos reservas, etc.).

    Um erro inevitável foi ir sozinho. Não havia outra opção em 2010. Ir em grupo possui várias vantagens: dividir custos, filas, trabalho (se for o caso), problemas, frustrações e alegrias, guardar lugar nos salões e mais. Falando especificamente de filas, estar em grupo é uma senhora mão na roda. Enquanto um do grupo segura a bananosa na fila, os outros podem ir ao banheiro, comer, pegar autógrafos e,  em determinados casos, até dar uma espiada em painéis menos cotados. Para coordenar tudo e evitar que alguém fique de fora do salão desejado, ter uma forma de comunicação é fundamental, e rádios do tipo “walkie talkies” são a melhor opção (baratos e sem tarifa de uso).

    Um outro erro meu foi não usar a diferença de fuso para contornar o problema de ter que acordar cedo para ir para as filas. Em julho, o horário do pacífico nos EUA é 4 horas atrasado em relação ao de Brasília. Assim sendo, já que meu corpo estava habituado ao fuso brasileiro, eu poderia ir dormir às 10 da noite (duas da madrugada no Brasil) e acordar tranquilamente às 4 horas da manhã (8 no Brasil), tendo dormido 6 horas e chegando na fila por volta das 5 da matina. Isso me deixaria em ótima posição e com muito menos sono do que eu senti de fato. Como eu tava “trabalhando”, chegar em casa às 9, comer, tomar um banho e dormir às 10 não seria fácil. Eu ainda precisava escrever, editar fotos e vídeos e “subir” tudo. No caso de você ir apenas como fã, como turista, fica muito mais fácil seguir essa dica. É possível até dormir mais.

    Outro erro, também impossível de evitar no meu caso, foi não deixar tempo livre antes e depois da Con. Tendo apenas 10 dias de férias por gozar, duas filhas muito pequenas (Raquel com 1 ano e sete meses e Luiza com apenas 2 meses), e uma esposa se matando para cuidar das duas sozinha, ir e voltar correndo era a única forma. Podendo, planeje no mínimo 15 dias na Califórnia. 20 seria o paraíso. Assim você terá tempo de sobra para passear, fazer compras e ir à Con.

    Para fechar o caixão dos erros e acertos, errei feio ao planejar assistir painéis muito concorridos, que ocorriam em salões diferentes no mesmo dia. Estando só então, isso é completamente inviável. Se você estiver em grupo, e coordenar as filas com seus companheiros de forma muito precisa, pode ser até que seja possível trocar de salão sem perder muito tempo em fila. Mas vai dar trabalho planejar e executar o plano, e provavelmente alguém do grupo acabará sendo “sacrificado”.

    Custos

    Passagem aérea

    No passado, tive um problemão com a American Airlines, mas dessa vez eles não me deixaram na mão. Como falei anteriormente, paguei minhas passagens com milhas do programa “AAdvantage” e por isso,  minha viagem de volta ao Rio de Janeiro foi extremamente cansativa. De qualquer forma, todos os vôos saíram dentro do horário ou com atrasos pequenos, e assim eu não perdi nenhuma conexão. Se você tem pontos em algum programa de cartão de crédito ou de companhia aérea, e pretende usá-los como eu, se prepare para uma maratona aérea. Pagando a passagem ou não, tente ir direto para San Diego de avião. Se não for possível, ou se você não gostar das escalas oferecidas, faça como eu e vá para L.A. (geralmente tem apenas uma escala) e de lá para San Diego (de carro alugado, trem ou ônibus dependendo de sua opção de hospedagem).

    Hoje, no site da AA, encontrei hoje passagens de ida e volta entre Rio de Janeiro e San Diego por cerca de US$ 1400,00. Tenho certeza que é possível conseguir preço melhor via agentes de viagem. De qualquer forma, fica como referência.

    A hospedagem

    Hotéis não faltam no condado de San Diego, mas a localização pode fazer toda a diferença do mundo para você. Um quarto de hotel mais próximo de Downtown pode chegar a custar algo em torno de US$ 300,00 por noite. Em um grupo de 4 pessoas, fica até razoável. Quanto mais longe do centro, mais barato e você poderá encontrar hotéis cobrando cerca de US$ 50 por noite. Estando no centrão, ou próximo dele, em um hotel que esteja conveniado à Con, e com isso, faça parte da rota dos “shuttles” que levam ao evento, o carro alugado pode ser dispensado. Tudo é uma questão de escolha. É possível fazer as reservas diretamente pela internet, mas isso requer o pagamento antecipado de pelo menos parte do custo total.

    O 'shuttle" ou ônibus para os íntimos

    O carro

    Se você optar por alugar um carro, a tarifa de um compacto parecido com um VW Voyage ou Corsa Sedan, sai por algo em torno de US$ 350,00 por semana. Você reserva pela internet, pega e devolve o bólido no aeroporto. A reserva não requer pagamento antecipado. O combustível na Califórnia é barato. Eu rodei quase 1.600 km e gastei somente 100 dólares de combustível.

    Alimentação

    Se você não tem problemas em enfrentar fast-food por um tempo curto e por uma boa causa, o custo com alimentação será baixo. É possível comprar um combinado grande de sanduíche/batata-frita/refrigerante por US$ 6,00. Já comer dentro do Centro de Convenções de San Diego, durante o evento, é bem mais salgado. Um cachorro quente de forno com uma lata de refrigerante custava US$ 8,00 na última Con. Se você quer mesmo economizar, leve biscoitos, sanduíches, barras de cereal e água na mochila.

    Fila para o Salão H no sábado 24/07/2010

    E para terminar, dicas diversas:

    1 ) Planeje tudo. Tente pensar em possíveis problemas e como resolvê-los. Pesquise e leia muito sobre o evento e a cidade (google);

    2 ) Pesquise os preços de pacotes contendo passagens, hotel e carro alugado com um agente de viagens. Pode ser que você consiga bons preços e ainda parcelar o pagamento;

    3 ) Feche sua programação de viagem com muita antecedência. Quanto maior, MELHOR;

    4 ) Viaje leve. Não leve nada na mala que você não tenha certeza que irá usar. Por exemplo, em San Diego faz calor em Julho e quase não chove (20 dias no máximo por ano).  Não leve roupas de frio e de chuva para passear nos EUA;

    5 ) Os atores e atrizes que vão à Comic-Con para autógrafos e fotos não o fazem sem interesse. Uns cobram apenas para autografar fotos oficiais que também estão à venda, mas não cobram para assinar um pedaço de papel que você tenha. Outros cobrarão para autografar qualquer coisa, e também para tirar fotos com você. Tem de tudo. O importante é estar preparado para isso;

    6 ) Planeje as filas. Se você vai dormir por lá, garantindo um ótimo lugar, esteja preparado. Leve saco de dormir, comes e bebes, passa-tempos, etc. Os voluntários e seguranças avisam com certa antecedência que a fila começará a andar, e com a ajuda de alguém que segure seu lugar nela, é perfeitamente possível ir até o carro para guardar seu “acampamento” antes de entrar no centro de convenções. Obviamente isso só vale se você estiver de carro e, principalmente, se ele estiver estacionado no próprio centro;

    7 ) Uma vez dentro do salão, jamais abandone seu lugar de vez. Se você tem esperanças de mudar para um lugar melhor entre um painel e outro, peça para alguém segurar seu lugar por algum tempo (10 minutos por exemplo) e só o libere caso você não volte. Aja da mesma forma caso você vá tentar trocar de salão. Lembre-se que você pode usar o tíquete de retorno (ler parte 2) e voltar ao mesmo lugar, no mesmo salão caso perceba que não conseguirá entrar no outro;

    8 ) E, por último, mas talvez o mais importante de tudo: fale inglês. Se você não fala a língua nativa, ir à Comi-Con perde o sentido. Não há legendas, nem tradução simultânea. Dá tempo de correr atrás e aprender. Além do mais, conhecimento nunca é demais.

    Bem, é isso. Se alguém tiver dúvidas, críticas ou sugestões, por favor, escreva um comentário para que eu possa responder no blog. Assim, outras pessoas podem aproveitar.

    Posts Relacionados:

    Tags: ,
  • Michele

    Eduardo,

    adorei suas dicas e estou pensando em ir a Comic Con do proximo ano. Qual hotel voce se hospedou em San Diego?

    Obrigada!

  • Olá Michele,
    Legal você ter gostado. Eu tenho a sorte de ter uma amiga de longa data morando em San Diego e fiquei hospedado na casa dela. Se eu não tivesse essa opção, faria a opção de ficar mais próximo do centro de convenções. O máximo possível dentro do que eu poderia gastar. Recomendo você não ir só. Com alguns amigos, a hospedagem fica bem mais em conta e você pode optar por um hotel bem próximo do centro. Boa sorte!

  • Michele

    Obrigada pelas dicas! Ja reservei meu hotel em san diego e los angeles! Pelo que percebi em outros sites muitos estão dispostos a visitar a comic con no proximo ano, então espero ter companhia por la ano que vem!

  • Legal Michele. Parabéns. A antecedência é fundamental. Mantenha contato, pois tenho esperanças de repetir a dose.

  • Pingback: Comic-Con San Diego, Séries de TV e Cinema » Blog Archive » A Comic-Con permanece em San Diego()

  • Anonymous

    Cara, você vai curtir o salão de exibição para caramba. Tudo em quadrinhos e em bonecos, mas saber o básico de inglês te ajudaria muito. É uma lingua fácil de vocabulário bem mais limitado que o português. Não precisa muito esforço para aprender o básico. Assistir os paineis de filmes e séries sem saber nada de inglês é como ver um filme sem legendas. Vai ser legal para ver os atores, diretores, produtores, mas vai te limitar demais. Dá tempo de correr atrás se você quer mesmo ir. Abraço e boa sorte.